Jamaica Kincaid: Livros e História

Jamaica Kincaid é o nome que ela escolheu para si mesma. Nascido nos Antilhas, na ilha de São João Antigua, ele tomou fama em Nova York quando um renomado Editor de Nova York – que foi editora de Truman Capote, entre outros autores famosos – pegou o valor de sua caneta e em seu espaço feito conhecido. Sua literatura é uma cruz entre a ficção e os dados da vida dura desse escritor singular.

“Autobiografia da minha mãe” e “meu irmão” são os dois livros mais populares em Kincaid. Ambos foram reeditados pela editora TxalaParta em um projeto que visa traduzir e publicar em espanhol todo o seu trabalho, uma vez que é um autor que ressoa mesmo para o prêmio Nobel de literatura.

este editorial comprometido com o editorial e a soberania informativa do país basco e os povos do mundo também publicaram “um lugar pequeno”, “Lucy”, “na ancoragem do rio” e “Sr. Potter”. Na Argentina, a capital intelectual editorial publica ambos os livros em sua coleção “Narradores de bancos distantes”.

jamaica kincaid: histórias da sua vida

ser um nativo de uma ilha colonia de inglaterra em 1967 com recém-em 1981 status de nação despejar suas experiências em um estilo plano e cru e olhar crítico para o Império, e ao mesmo tempo hipnótico e aprisionamento das histórias íntimas que narra nesses contextos.

Seu verdadeiro nome é Elaine Potter Richardson e viveu na ilha com sua mãe e padrasto até Em 1965 ele foi enviado para Nova York para trabalhar em casas familiares como Au pair cuidando de crianças.

Mas, uma vez chegada nos Estados Unidos, ele deixou a família para quem ele trabalhou e começou a escrever artigos em jornais e estudando a fotografia.

A mudança de nome refere-se a que sua família de origem desaprovou seu comércio de escritor. Quando ela ainda vivia com a mãe, ela queimou todos os seus livros, que a jovem roubou da biblioteca da cidade, para tirá-la do que ela não queria para a filha.

Sua literatura está longe da luz, refere-se aos danos causados pelo imperialismo britânico, às histórias sobre o ódio entre seus irmãos antigos, a falta de solidariedade, compaixão e empatia.

Longe de criar histórias com posições binárias, seus livros se abrem para complexidade, contradições e misérias que habitam os seres humanos além dos conflitos de classe, gênero e raça. Seu trabalho retrata a solidão, tristeza, perda e miséria descrevendo a realidade das minorias no território que o Império chamou “The Pearl of the Caribbean”.

Atualmente ele vive em Vermont e ele é professor da Universidade de Harvard.

Seu trabalho é traduzido para espanhol, italiano, inglês, catalão e basco, falado em regiões de Navarra e País Basco.

O eixo de sua literatura gira em torno de questões existenciais e sociais. Para a urgência da redefinição para se alinhar com o propósito pessoal, se perguntar de novo e de novo sobre a origem e o que cada um escreverá sobre a história de sua própria existência.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *