fisioterapia

publicado por juan antonio gonzález garcía em 10 de dezembro de 2013

para recentemente um ano Estamos usando o jornal refletivo como um instrumento de aprendizagem no contexto do prático de fisioterapia. Fazemos isso em colaboração com o professor Gema Gallardo Sánchez, com quem compartilhamos o trabalho de ensino no Hospital Universitário de Fuenlabrada. Após este tempo, vemos você à disposição de falar algo sobre a nossa experiência.

O jornal reflexivo é, em essência, um jornal com um propósito de aprender e avaliar. Como outro serviço sortudo, podemos dizer que é uma conta acorrentada, ordenada cronologicamente, de eventos, fatos, pensamentos, reflexões, opiniões, sugestões, explicações ou sentimentos experientes, testemunhados ou vividos por seu autor. O que dá seu valor, além do uso pessoal, é a natureza da reflexão sobre essa parcela do treinamento do profissional que é a prática prática, práticas ou educação clínica. Pretende-se que o esforço cognitivo para lembrar, processar, analisar e expor de forma escrita é uma maneira de aprender. É assim que um conhecimento baseado na reflexão sobre a reflexão em ação é alcançado, de acordo com o modelo proposto por Donald Schön (1). De um ponto de vista mental, é sobre metacognição, “o conhecimento que é possuído no próprio conhecimento, que, por sua vez, é considerado o produto da capacidade da mente, para se tornar em si e analisar seus próprios processos de pensamento e conhecimento “(2).

Além da aprendizagem, como dissemos acima, o jornal é um elemento da avaliação. Avaliar com o final para saber o resultado deste Aprendizagem, não como um conjunto de conhecimentos adquiridos, mas mais do que o processo e o progresso da aprendizagem. Tudo isto tomando como um centro para o próprio aluno, autor e protagonista do diário. Outros colegas já falaram sobre tudo isso anteriormente (3, 4 ) É por isso que não queremos entrar em desquisisões mais conceituais. Nós apenas comentaremos nossa experiência como leitor dos diários dos alunos e como um autor circunstancial de um diário como professor.

O mais relevante para nós é destacar a ferramenta excepcional que o jornal é. Com ele, temos informações diretas do aluno sobre todas essas questões apontadas: opiniões, preocupações, desejos, descobertas, sentimentos, aprendizagem, decepções, surpresas, ambições, …, expectativas. O formato é intencionalmente livre, dando apenas golpes iniciais do que se pretende, o que nos permite acomodar tudo isso. A relação estabelecida no Practicum entre professor / Guardião e aluno permite o feedback, correção e orientação sobre o conteúdo do jornal. O aluno expressa por escrito tudo o que sua reflexão a levanta, o professor / responsável reflete sobre o que ele lê e comentários com o aluno para fortalecer, destacar, corrigir, parabenizar, reorientar, comentar, em um exercício de reflexão compartilhada. É um jogo em que há uma aprendizagem bidirecional. Isso é para nós o valor principal. Mas, além disso, embora não constitua uma obrigação, mostra-nos as atitudes do aluno, elemento-chave da avaliação dele. E força você a exercer competências transversais, como o desenvolvimento de capacidade de comunicação crítica, raciocínio ou verbal e escrita. Deve-se dizer que, como será imposto, o resultado da avaliação do aluno, sua nota prática, é determinada por vários outros conceitos.

O modelo de diário reflexivo Também é premeditável, para nós, versáteis. Ele pode conter qualquer elemento que encontre a tarefa do aluno (imagens, escalas de avaliação, avaliações de pacientes, buscas de bancos de dados, links para sites da Internet, links para vídeos, anexos com estes e outros conteúdos, …). No entanto, sempre contém a reflexão do aluno além de uma mera descrição dos fatos. Se não, indica-se que o jornal requer um esforço cognitivo mais rico e complexo do que a simples história. Note-se que há um valor agregado nesta reflexão que torna necessário e, acima de tudo, útil em sua aprendizagem atual e futura.

pode ser deduzido que este tarefa que causa uma demanda adicional de trabalho para o aluno. Isso mesmo, e eles expressam-no nas conversas que temos com eles. É quando lembramos o propósito, o potencial de aprendizagem que nos oferece e que no prático o carregamento de créditos suporta e convida este trabalho fora do ambiente clínico, mas referido a ele. Da mesma forma, é uma tarefa para o professor / responsável.No nosso caso, recebemos os jornais no final de cada uma das seis semanas de Praticum. Eles geralmente contêm 6 a 12 páginas e, uma vez lidos, reflexões relevantes com o aluno são compartilhadas, oralmente e / ou escritas. Acreditamos que este trabalho vale a pena, dadas os objetivos que são alcançados (5).

Como dissemos acima, nós também desenvolvemos um jornal reflexivo fruto de a petição de um colega, mas, neste caso, sobre o nosso trabalho de ensino no Practicum. Isso nos ajudou a verificar se a reflexão serve para o que temos discutido nessas linhas. Incentiva a elevação de alternativas, repensar o que é feito, disse ou pensamento, questionando processos, justificando, promovendo mudanças, modificando atitudes. Da mesma forma, notamos o trabalho e o tempo que supõe, da motivação necessária para sua fatura.

Em suma, então disse aqui, acreditamos no Diario refletindo como um elemento de grande valor na formação de fisioterapeutas no contexto do prático. Encorajamos o uso em ambientes clínicos em que a fisioterapia é formada, ciente do esforço posado, mas também de sua contribuição para uma experiência de aprendizagem mais sólida, mais abrangente, mais global e mais enriquecida.

Leia mais Fisioterapia.

1. Medina Moya, JL. Prática educacional e prática de enfermeiros se importam a partir de uma perspectiva reflexiva. Na revista de enfermagem. Número 15, abril de 2002. Na http://www.uclm.es/ab/enfermeria/revista/numero%2015/numero15/pr%E1ctica_educativa_y_pr%E1ctica_de.htm. Acesso 9 de dezembro de 2013.

2. Delval, J. O significado do desenvolvimento em humanos. Na psicologia do desenvolvimento i, pag. 28. Ed. Uned, Madrid 2010.

3. Gallardo Sánchez, G. No final. Em fisioducação, 18 de setembro de 2019. Original do mesmo autor em um fisioterapeuta ingênuo, 13 de junho de 2013. Em https://fisioeducacion.es/fisios/docencia/451-fin-de-curso. Acesso 13 de fevereiro de 2021.

4. Lorza blasco, G. e-portfólio como instrumento reflexivo de aprendizagem. No bloco de fisioterapia de FUB. . Acesso 10 de dezembro de 2013.

5. Brunette precioso, m; Ruiz López, M. O jornal refletivo: ferramenta pedagógica inovadora em práticas de enfermagem. http://madrid.universidadeuropea.es/myfiles/pageposts/Memoria_1_premio.pdf. Acesso em 10 de dezembro de 2013.

Não posts relacionados.

Tags: Reflexivo Jornal, Praticum

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *